segunda-feira, 1 de junho de 2009

COMO VIVER SEM MÁSCARAS


O carnaval é a maior festa popular do Brasil, e talvez, do mundo. Nessa festa da extravagância e dos excessos, muitas pessoas saem às ruas usando máscaras. Algumas dessas pessoas escondem-se atrás das máscaras; outras se revelam por meio delas. Uma máscara é tudo aquilo que esconde ou encobre a nossa verdadeira identidade. É importante ressaltar que existem máscaras tangíveis e intangíveis; algumas cobrem o rosto; outras tentam disfarçar as atitudes da alma.

De certo modo todos nós usamos máscaras. Aquele que diz que nunca usou uma máscara, possivelmente esteja acabando de afivelar uma no rosto, a máscara da mentira. O problema das máscaras é que elas proclamam uma mentira ou escondem uma verdade. Quando usamos máscaras, as pessoas passam a amar não quem nós somos, mas quem nós aparentamos ser. As máscaras também não são seguras. Por melhor que nós as afivelemos, elas podem cair nas horas mais impróprias e nos deixar em situação de total constrangimento.

Queremos mencionar aqui algumas máscaras usadas ainda hoje.

1. A máscara da piedade - O apóstolo Paulo, ensinando sobre a doutrina da Nova Aliança, diz que podemos ser ousados em vez de agir como Moisés que pôs um véu sobre a face para que as pessoas não atentassem para a glória desvanecente em seu rosto. Quando Moisés subiu o Monte Sinai para receber as Tábuas da Lei, ao regressar, seu rosto brilhava. As pessoas não podiam olhar para ele. Então, ele colocou um véu em sua face para que as pessoas pudessem se aproximar e falar com ele. Mas houve um momento em que Moisés percebeu que a glória estava acabando. Ele não precisava mais do véu, porém, ele continuou com o véu, porque não queria que as pessoas soubessem que sua glória era desvanecente. Muitas vezes, somos parecidos com Moisés. Tentamos impressionar as pessoas com uma espiritualidade que não temos. Aparentamos ser mais crentes, mais piedosos do que na verdade somos.

2. A máscara da autoconfiança - O apóstolo Pedro era um homem impulsivo. Falava para depois pensar. Quando Jesus declarou que seus discípulos iriam se escandalizar com ele e iriam se dispersar, Pedro não titubeou e foi logo dizendo que ainda que todos o abandonassem, ele jamais o faria. Disse ainda que estava pronto para ir com Jesus para a prisão ou até mesmo para a morte. Pedro julgou-se forte e até melhor do que seus pares. Porém, naquela mesma noite, Pedro fraquejou e dormiu quando Jesus pediu para ele vigiar. Pedro abandonou a Jesus e seus condiscípulos e infiltrou-se na roda dos escarnecedores. Pedro negou, jurou e praguejou, dizendo que não conhecia a Jesus. A máscara de sua autoconfiança caiu quando Jesus olhou para ele. Então, ele caiu em si e desatou a chorar.

3. A máscara do legalismo - Um legalista é inflexível com as outras pessoas, mas condescendente consigo. Ele enxerga um cisco no olho de seu irmão, mas não vê uma trave no seu. O legalista preocupa-se mais com a forma do que com a essência. Cuida mais da aparência do que do interior. Os fariseus eram legalistas. Eles eram fiscais da vida alheia, mas descuidados com sua intimidade com Deus. Eram bonitos por fora, mas feios por dentro. Jesus os comparou a sepulcros caiados, limpos por fora, mas cheios de rapina por dentro. Os fariseus eram hipócritas. Eles eram atores que representavam no palco um papel diferente daquele desempenhado na vida real.

A vida cristã é uma contínua remoção das máscaras. A Bíblia diz que onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade; não liberdade para fazer o que queremos, mas liberdade para vivermos na luz. Pela obra de Cristo e pela ação do Espírito, podemos viver sem máscaras, sendo transformados de glória em glória, até atingirmos a estatura de Cristo, o Varão Perfeito.

Rev. Hernandes Dias Lopes

3 comentários:

Luclécia Silva disse...

Paz pastor Silas!

Excelente postagem! To chegando por aqui também viu.

Algo interessante que eu aprendi a respeito de personalidade.

A palavra personalidade tem origem na palavra em latim persona=máscara. Era hábito que as personagens fossem mascarados segundo o que o ator iria interpretar: vilão, paixonado, escroque, etc...essa tradição continuou no teatro cômico renascentista da commedia dell'arte. Assim nasceu o conceito de personalidade.

Isso se encaixa perfeitamente no quesito de reputação que nada mais é do que uma mascara que usamos.

A final de contas: "reputação é oque as pessoas pensam ao meu respeito. Caráter é o que eu sou quando ninguem esta olhando" D.L Moody

IGREJA BATISTA BERÉIA disse...

Certa pessoa disse também que "somos quem somos no escuro", certamente parafraseando o que Moody falou. Outra coisa, publiquei duas palavras suas, uma neste blog e a outra no blog do Ministério, parabéns pelas postagens.
Fique na Paz!
Pr Silas

Pr. José Roberto Limas da Silva disse...

Obrigado pelo artigo queridos irmãos. Tudo foi usado por Deus para me abençoar. O texto do reverendo Hernandes, os esclarecimentos da irmã Luclélia e do pastor Silas. Gostaria de estreitar os laços e de compartilhar o assunto do artigo. Sou pastor da Igreja Batista Nova Vida em Bocaiúva - Mg e tenho um blog: www.joserobertolimas.blogspot.com e meu email é jrlspastor@hotmail.com. Gostaria de trocar idéias e edificar a nossa mútua fé. Um abraço fraternal. José Roberto Limas da Silva

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails